Igrejas cristãs divergem sobre o aborto em caso de microcefalia

A autorização para o aborto em casos de microcefalia é alvo de divergência entre as igrejas cristãs no país. Se a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) já afirmou que a epidemia de zika no Brasil não justifica a medida, outros grupos religiosos preferem ainda não tomar posição sobre o assunto e avaliam que cabe ao governo federal arbitrar sobre o tema.

“Hoje, a gente tem uma resposta possível, não a ideal. Essa discussão é muito recente. O propósito da igreja é sempre pela vida”, disse dom Flávio Irala, bispo da Igreja Anglicana. “Mas não podemos ficar nos
escondendo de debates polêmicos”, acrescentou.
O religioso participa nesta quarta-feira (10) de reunião da Conic (Conselho Nacional das Igrejas Cristãs) com a presidente Dilma Rousseff. Um dos temas abordados foi a campanha da fraternidade de 2016, lançada hoje pela CNBB em parceria com o conselho.
 Neste ano, a iniciativa tem como foco o saneamento básico no país.

Um dos temas a ser abordado é a campanha da fraternidade de 2016, lançada hoje pela CNBB em parceria com o conselho. Neste ano, a iniciativa tem como foco o saneamento básico no país.

Irala, que é presidente do Conic, disse que a entidade cristã ainda não debateu o assunto e ponderou que é preciso ter cautela para não criar “antagonismos dentro do conselho”.

Presidente da Aliança de Batistas do Brasil, Joel Zeferino afirmou ser necessário discutir o assunto “com a sociedade”. “É preciso incluir nesse debate as mulheres que sofrem esse aborto, sobretudo das periferias das cidades, mulheres negras, que de fato fazem esses abortos ilegais. É precisamos colocar a voz dessas mulheres nessa discussão. Não temos uma posição a respeito do aborto.”
“Temos que respeitar cada igreja a partir de suas discussões internas”, afirmou.

Na semana passada, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos defendeu que países afetados pelo vírus da zika garantam os direitos reprodutivos das mulheres –entre eles, o aborto.

Segundo a secretária-geral do Conic, Romi Márcia Bencke, há vertentes cristãs –como a anglicana, luterana e evangélica– que consideram que o tema é uma questão de política pública e que, portanto, cabe ao governo federal arbitrar sobre o assunto.

“Há algumas que compreendem que isso precisa ser tratado como uma questão de política pública. Então, cabe ao poder público definir se libera ou não. Elas não se declaram a favor (do aborto), mas se posicionam no sentido de que é uma decisão governamental”, disse.

O arcebispo Mor Titos Paulo Tuza, da Igreja Católica Ortodoxa Siriana do Brasil, afirmou que a denominação cristã também é contrária ao aborto no caso de bebês com microcefalia, assim como a CNBB. Segundo ele, o procedimento só é aceitável caso a gestação ameace a vida da mãe.

“FIRME, PRESIDENTE”
O presidente do Conic afirmou que outros temas da agenda nacional não foram abordados, como o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ele ponderou, no entanto, que a entidade apoiou a petista.

“Nós levamos uma palavra de apoio a ela. Dissemos: ‘Firme presidente'”, contou. Em dezembro, o Conic divulgou nota em que afirmou ver com preocupação o pedido de destituição de Dilma, a partir de “argumentos frágeis, ambíguos e sem a devida sustentação fática”.

Com Folha de São Paulo

292 total views, 3 views today

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Paulo Gustavo

Estudante de jornalismo. E Focado nos assuntos curiosos em debates na sociedade. Reflexões são para serem reflexivas e com ar de seriedade. Atualmente estou com 24 anos e solitário, que passa maior parte do tempo lendo coisas do meu interesse e essas coisas significa livros de história, ficção e sites. Sou viciado no YouTube. Para ser mais intenso, sou portador de uma condição de nome Van der Woude, mais popularmente conhecida como Lábio Leporino. Já fiz mais de 11 cirurgias e todas até agora foi na parte da face. Provavelmente farei mais. Quero fazer da minha vida uma experiência inesquecível. Ainda não desistir de fato, não gosto de perder, essa a razão de ainda está aqui. É preciso um dia perder para ter sede de ganhar. Bom, bem vindo (a)!