Grande estudo conclui que ninguém nasce gay

5
(1)

Um estudo internacional concluiu que não existe o que é conhecido por “gene gay”. A pesquisa aponta que não existem fatores genéticos suficientes para dizer que a atração por pessoas do mesmo sexo esteja no DNA de um indivíduo. Trocando em miúdos: não se nasce gay.

Encabeçado por 11 cientistas, o estudo foi publicado nesta sexta-feira (30) pela revista Science. Foram ouvidas 477.522 pessoas do Reino Unido e Estados Unidos.

Os autores relatam que estudos anteriores sobre o componente genético do comportamento homossexual ainda não eram suficientes para “detectar sinais genéticos” se uma pessoa nasce homossexual ou não. Já a pesquisa atual, tem essa capacidade.

“Pela primeira vez, os novos conjuntos de dados em larga escala fornecem potencial estatístico suficiente para identificar variantes genéticas associadas ao comportamento sexual com pessoas do mesmo sexo (aquelas que já tiveram um casal do mesmo sexo versus aqueles que nunca o tiveram antes), estimar a proporção de variação na característica de acordo com todas as variáveis ​​como um todo, estimar a correlação genética entre comportamento sexual com pessoas do mesmo sexo e outras características e analisar a biologia e a complexidade da característica”, diz o documento.

Com isso, os pesquisadores viram que a orientação sexual de uma pessoa não depende tão somente do DNA, mas sim vários fatores externos, aspectos socioculturais, localização geográfica e a educação recebida. Fatores genéticos ajudam a explicar apenas um terço das diferenças ligadas ao comportamento sexual.

A análise encontrou cinco posições nos cromossomos humanos, chamadas locus, que podem estar de fato relacionadas à orientação sexual, mas cada uma tem uma influência muito pequena na definição final deste comportamento.

Tema ‘delicado’ 

De acordo com noticiários internacionais, os autores do estudo disseram que estavam conscientes da “delicadeza” do assunto. Dois pesquisadores informaram a repórteres na terça-feira (27) que eles mesmos eram gays. Com medo de serem mal interpretados, eles  chegaram ao ponto de consultar associações LGBT sobre como iriam comunicar os resultados da pesquisa.

Terça Livre

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Paulo Gustavo Corrêa

Paulo Gustavo

Estudante de jornalismo. E Focado nos assuntos curiosos em debates na sociedade. Reflexões são para serem reflexivas e com ar de seriedade. Atualmente estou com 24 anos e solitário, que passa maior parte do tempo lendo coisas do meu interesse e essas coisas significa livros de história, ficção e sites. Sou viciado no YouTube. Para ser mais intenso, sou portador de uma condição de nome Van der Woude, mais popularmente conhecida como Lábio Leporino. Já fiz mais de 11 cirurgias e todas até agora foi na parte da face. Provavelmente farei mais. Quero fazer da minha vida uma experiência inesquecível. Ainda não desistir de fato, não gosto de perder, essa a razão de ainda está aqui. É preciso um dia perder para ter sede de ganhar. Bom, bem vindo (a)!

Mostre o que achou sobre esse post publicando seu comentário

%d blogueiros gostam disto: