0
(0)

O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso disse que o Congresso Nacional tem o poder de decidir sobre a prisão após condenação em segunda instância.

Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, Barroso, que foi voto vencido no último julgamento sobre o tema, afirma que a questão só vai andar no Legislativo se a população se mobilizar.

“Se a sociedade for capaz de transmitir essa mensagem claramente ao Congresso, eu acho que eles saberão responder. Se não houver demanda da sociedade, não vai acontecer nada porque o status quo favorece as velhas prática.”

Barroso disse que, durante o período em que vigorou o entendimento, foram firmados muitos acordos de colaboração premiada, e classificou a mudança como um retrocesso.

O ministro defende que a mudança na prisão após condenação em segunda instância só vai acontecer se a sociedade fizer o Parlamento ver, “de maneira clara e inequívoca, que a impunidade se tornou inaceitável”.

Para ele, o Brasil vive um momento em que o Congresso retoma o protagonismo e precisa adotar uma agenda “olhando para o futuro”. O ministro disse existir outros importantes temas em tramitação no Legislativo, como a reforma política.

Barroso aponta que há “um crítico descolamento entre a classe política e a sociedade civil”. “Se nós não mudarmos o sistema politico, continuaremos com u mgoverno que dá incentivos errados e extrai o pior das pessoas.”

Luís Roberto Barroso defende o sistema distrital misto, que, segundo ele, tem o potencial de “aumentar a representatividade, facilitar a governabilidade e baratear o custo das eleições”.

Em relação ao financiamento das campanhas, Barroso é contrário à participação do empresas privadas. “Se empresa pode ou não participar é uma decisão que cabe ao Congresso. O modelo que havia no Brasil era mafioso.”

O ministro defende que quem deve financiar a democracia é a cidadania.

Luís Roberto Barroso, atualmente, é vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral e toma posse como presidente da Corte ainda neste ano. Será ele o responsável por conduzir o tribunal nas eleições municipais. Em relação ao pleito, o ministro disse que um grande desafio é a disseminação de “fake news”.

Para Barroso, é “uma ilusão achar que decisão judicial” pode combater amplamente a propagação de notícias falsas. “A intervenção judicial na circulação de informações sempre estará na fronteira perigosa da censura.”

Barroso disse que, no combate às fake news, as decisões judiciais “têm que ter um papel residual, ainda que importante”, e que os candidatos também têm responsabilidades pelo que divulgam.

Ele alegou ainda que, na presidência da ministra Rosa Weber, o TSE “mudou um pouco a estratégia”, “diminuindo o papel das decisões judiciais e aumentando a responsabilidade das plataformas de conteúdo”.

O ministro destaca que o tribunal já firmou parcerias com as principais empresas de tecnologia para o enfrentamento das fake news.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni

Nota:

Cabe agora a população ir às ruas e pedir que o congresso aprove a prisão em segunda instância e derrube a decisão catastrófica do Supremo Tribunal Federal.

Lembrando que temos apenas 19% de brasileiros que aprovam o Supremo e 39% rejeitam. É hora de mostrar isso nas ruas.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Artigo anteriorJornalista cristão de direita é atacado em Berlim
Próximo artigoFacebook exclui Israel e inclui Palestina
Paulo Gustavo Corrêa
Estudante de jornalismo. E Focado nos assuntos curiosos em debates na sociedade. Reflexões são para serem reflexivas e com ar de seriedade. Atualmente estou com 24 anos e solitário, que passa maior parte do tempo lendo coisas do meu interesse e essas coisas significa livros de história, ficção e sites. Sou viciado no YouTube. Para ser mais intenso, sou portador de uma condição de nome Van der Woude, mais popularmente conhecida como Lábio Leporino. Já fiz mais de 11 cirurgias e todas até agora foi na parte da face. Provavelmente farei mais. Quero fazer da minha vida uma experiência inesquecível. Ainda não desistir de fato, não gosto de perder, essa a razão de ainda está aqui. É preciso um dia perder para ter sede de ganhar. Bom, bem vindo (a)!

Mostre o que achou sobre esse post publicando seu comentário