0
(0)

O medo e o pânico não têm sido bons aliados da população no meio da pandemia de Covid-19, causada pelo novo coronavírus. Sem levar em conta a frieza dos números, pode haver a impressão de que o “mundo todo” está contaminado. O que está muito distante da verdade.
Até este momento, segundo dados da Universidade Johns Hopkins, que mantém uma página (aqui) com informações atualizadas a respeito do vírus chinês, mais de 1 milhão de pessoas já estão recuperadas da infecção.

O número de casos confirmados passou de 3.3 milhões. Já o total de mortes, neste momento, é de 234.761.
No Brasil, os dados divulgados hoje (01) pelo Ministério da Saúde atestam 85.380 casos confirmados de Sars-Cov-2. Foram registradas 5.901 mortes.
Remédios

Muitos remédios têm sido testados contra o vírus chinês, o mais conhecido deles é a hidroxicloroquina. O medicamento tem sido defendido por presidentes como Donald Trump e Jair Bolsonaro.
Cerca de 70 hospitais brasileiros, entre eles Albert Einstein, HCor e Sírio Libanês, fazem parte da Coalização Covid-19.
A iniciativa, que tem apoio do Ministério da Saúde, está utilizando a hidroxicloroquina em conjunto com azitromicina e dexametasona no combate ao Sars-CoV-2.
“Estudos pré-clínicos em animais, bem como os primeiros dados de estudos clínicos, mostram que a hidroxicloroquina mata o coronavírus”, afirmou Vas Narasimhan, presidente-executivo da Novartis, farmacêutica que produz o remédio.

Outra droga com relativo sucesso em testes é a ivermctina. Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Melbourne e do Hospital Royal Melbourne in vitro mostrou que o medicamento é capaz de matar o novo coronavírus em 48 horas.
O atazanavir, remédio usado no tratamento contra a Aids, também está sendo pesquisado no combate ao vírus.
Vacinas

Uma equipe de pesquisadores israelenses do Instituto de Pesquisas da Galileia (MIGAL, na sigla original) diz que estão a dias de concluir a produção do componente ativo de uma vacina contra o coronavírus que pode ser testada em seres humanos a partir de 1º de junho.
A Inovio Pharmaceuticals, pequena empresa de biotecnologia na Pensilvânia, recebeu autorização regulamentar para iniciar os testes da potencial vacina. O grupo é financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates.

Via Gospel Prime

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Mostre o que achou sobre esse post publicando seu comentário