5
(1)

Deixa eu falar um pouco de hipocrisia e coisas sem sentidos: 

Sempre me espantei com pessoas que gostavam de falar tudo e de tudo. 

Falar dos outros. Mas quando era a vez dela ouvir ela automaticamente virava as costas ou quando não, virava/vira os olhos, torce os lábios. 

Gostava de falar, mas não queria ser falada. 

Sim, pode ser coisa de criança, é comum isso em crianças. 

Mas agora vejo esses tipo de coisas em adultos. Atitude infantil. 

Pessoas que cresceram na idade, na estatura, mas não na mente, não amadureceram. Pessoas com 20, 30, 40, 50, 60, 70, 80 etc… mas não aprenderam quase nada na vida. 

Vejo a hipocrisia em vários setores, na religião, na política, nas empresas, na sociedade em geral.

Pessoas que se dizem amar um deus (sim, minúsculo mesmo, pois é em geral), com toda força e fé, só que suas atitudes não mostram o que dizem suas palavras. Julgam e não satisfeitos com os julgamentos, ainda apedrejam. Desconheço esse tipo de cristianismo. 

Se dizem “convertidas” ( que é mudar), mas só mudaram na forma de se vestir, de não ir mais em festas. Mas continua adorando uma fofoca, falando dos outros, sendo falsa (o).

Fico me perguntando, que tipo de conversão é essa, mudaram por fora, mas dentro de si continua a mesma coisa de antes. 

Apesar de não ser cristão, nem ter religião alguma, acredito no amor verdadeiro, um amor igual o de Cristo, sem julgamentos, sem desejos de maldição contra o próximo, sem indiretas, sem falsidades. E acredito que não é preciso ser um cristão para amar de verdade. 

Eu não me refiro um amor carnal, mas um amor sem interesse sexual ou financeiro, apenas um amor verdadeiro, um sentimento verdadeiro ao próximo.

Olhando e observando essas pessoas, fica nítido que, religião não define caráter. Não é o que dizemos ser que realmente somos, mas o que fazemos. Isso independente de ter ou não religião. 

Andar com roupas largas, ler uma bíblia, ir a igreja, louvar e pregar, essas coisas não definem o que você diz que é, é o que você faz com os outros. É a maneira que nós tratamos os outros que definem quem nós somos. 

O fanatismo religioso cega as pessoas, mas não é apenas o religioso.

Política:

Independente da ideologia política de alguém, não se faz dela em tudo a certa ou a errada. 

Independente da visão política de alguém, pode fazer dela sim uma pessoa “cega”, logo, às vezes, uma visão hipócrita. 

Vou dá um exemplo de hipocrisia que está se tornando clássica, duas ideologias que estão em alta em várias partes do mundo.

Começo com a ideologia de esquerda:

Eu não consigo compreender esse amor que tanto pregam, e esse ódio que tanto combatem (em nome do amor). Seria lindo se fosse real esse grito de compaixão. Pregam o amor em tudo que é lugar, mas esse “amor” logo acaba quando se deseja a morte de um adversário, de uma ameaça. 

Me desculpem, mas isso não é amor, é outra coisa. Isso é um pseudo-amor. Um amor falso. Qualquer mente coerente sabe que isso não é o certo. Não precisa ser um gênio para perceber. 

A ideologia de direita:

“Somos todos contra a corrupção”, dizia essa onda nos últimos anos no nosso país. Mas a frase, “Somos todos contra a corrupção”, parece que parou de valer quando um dos filhos do presidente eleito, por essa gente, junto com o assessor de seu gabinete, passou a ser investigado por desviar 1 milhão de reais. O lindo discurso contra a corrupção foi para o ralo a partir daí. 

O filho investigado, começou a derrubar as decisões que iria prejudicar corruptos, isso obviamente, junto com outros investigados em corrupção. Só aí, o filho, conhecido como 01, já se entregou, só que não para a justiça.

E pergunto, cadê aquela massa que gritava por justiça, para agora querer justiça. A justiça só vale para essa gente quando só prejudica seus inimigos? Contra eles mesmo não? 

Como eu disse, não é só a religião que cega as pessoas. A idolatria cega também. E qualquer tipo que seja. Hipocrisia está em tudo que é lugar, onde estiverem pessoas vai estar ela.

Isso não significa que, iremos ser hipócritas também. Não podemos fazer parte desse efeito manada ilógico. Eu, pelo menos não quero. 

Pelo que estamos assistindo isso parece ser coletivo. 

Nós somos racionais, mas se prestarmos bem atenção, agimos muitas vezes de maneira mais irracional que os animais que não são racionais. 

O certo é que, pregam, gritam, até quebram, desejam justiças, amor e gritam por reciprocidade. Mas a reciprocidade só é coisa boa? 

Eu acredito em duas reciprocidades, na boa, se você quer a felicidade e lealdade de alguém logo você irá receber esse mesmo desejo dessa pessoa.

E na má: se você desejar o mal, logo receberá da mesma forma.  

São 5:50. Bom dia!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Como você achou esse post útil...

Sigam nossas mídias sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

1 COMENTÁRIO

  1. Como sempre… Uma ótima reflexão.
    As pessoas devem aprender que ninguém é perfeito. Mas sim, que é um ideal a ser buscado, porém que nunca será 100% alcançado. Por isso mesmo é que devem aprender a respeitar as opiniões e comportamentos diferentes dos outros. Saber ouvir e entender. E não apenas julgar.

    As vezes as pessoas só querem ser ouvidas. Não querem ouvir nenhuma proposta de solução ou julgamento do de quem os está escutando. Mas sim, que apenas as ouça.

    E para finalizar, para acabar com toda essa hipocrisia: é cada um cuidar de sua própria vida, respeitar as diferenças dos outros, sejam costumes ou ideias, e não fazer aos outros o que não quer que façam a você.

    Sucesso!

    Olívio Augusto

Mostre o que achou sobre esse post publicando seu comentário